Facebook - Reggae Raiz Youtube - Reggae Raiz Twitter - Reggae Raiz Pinterest - Reggae Raiz Google Plus - Reggae Raiz
Tribo de Jah



Além Do Véu De Maya

Tribo de Jah



Aumentar o tamanho do vídeo
 Compartilhe

Sobre o Colaborador

  • Tiago Rocha
  • Membro desde: 02/01/2012
  • João Pessoa, PB
  • Cargo: Administrador
Curtir
0 Pessoas
Não Curtir
0 Pessoas

Letra    

Clique aqui e inscreva-se em nosso canal.




Rio de Janeiro no inverno
A brisa é fria mas o frio é eterno
Eu sigo a orla ao longo da Barra
A tarde avança mas ainda é clara
Não me é estranha essa sensação de caminhar a esmo
Seguir sem direção, só, comigo mesmo
Sem me importar em ir ou voltar
Sem ter que chegar a algum lugar
Andar, andar, até cansar

Não interessa o que aconteça
Eu não tenho pressa
Embora não pareça a vida não cessa
Eu sei, depois dessa ela prossegue ou só recomeça

Eu sinto o Sol
Eu sinto o seu calor ameno
Eu sigo só
Só, eu sigo, comigo mesmo

Eu sei que você pensa em mim e lembra de mim
Mas eu não sou assim como você vê
Como você pensa que eu possa ser

Você vê o meu corpo e pensa que sou eu
Ele não é eu ele não é meu
É só uma dádiva dada emprestada
Deus foi quem me deu por breve temporada
É só uma roupagem, densa embalagem
Que não me pertence
Aliás, nada me pertence nesse mundo
Tudo é transitório, tudo é ilusório
Ainda que se pense que o que se vê é pura realidade
Na verdade, o que se está a ver
Não é mais que um lapso
Distorcido da eternidade

O Sol se esvai
A noite cai tão sutilmente
Conforme o Sol se vai
Eu sinto a terra girar quase que imperceptivelmente
Assim a gente vai
Seguindo rumos tão diferentes
Caminhos desiguais
Mais e mais distantes, continuamente
Mais e mais distantes, definitivamente

A cidade é um corpo disforme
Que se espalha enorme sobre a crosta terrena
Uma intrigante cena ela desperta e dorme
E deixa alguns espasmos
Ou então se consome em todo o seu marasmo
Um mundo formigante, milhões de habitantes
Todos tão imersos em seus universos
Presos aos grilhões do não saber
Das limitações de todo ser vivente dessa dimensão
Almas presas aos corpos
Sob espesso véu de ilusão
Até que estes estejam mortos
Deixarão então essa condição
E verão que corpo é só casual
Composição genética, constituição carnal
Eu poderia nascer indiano, sino africano, viver muitos anos
Pra depois morrer e voltar a nascer
Como alemão ou americano
Porque então tanta animosidade
Se alma não tem nacionalidade
Alma não tem cor, alma não tem sexo
Esse papo de alma gêmea não tem nexo

Eu vejo o céu,
Atrás do véu de ilusão
Um doce lar,
Além do mar da imensidão.
Janela da Favela
Ponto de Equilíbrio
Reggae Brazuca
Afrodizia
Plantation
Don Carlos
Vila Isabel
Ponto de Equilíbrio
Se Liga
Arkaya
My Freestyle
Dub Incorporation
Jamaica
Alborosie
When We Were Younger
Soldiers Of Jah Army (SOJA)
Rastafari Anthem
Alborosie
Chant a Psalm
Steel Pulse
Safe And Sound
Rebelution
400 Years
Bob Marley
Abre a Janela
Ponto de Equilíbrio
Provações
Jah Live
African Herbsman
Bob Marley
Natty Dread
Bob Marley
Banal Hipócrita
Ponto de Equilíbrio
Outra Vida
Armandinho
I Don't Wanna Wait
Soldiers Of Jah Army (SOJA)
No Cocaine
Alborosie
Same Song
Israel Vibration
All I Know
Tribal Seeds
Visitante
Olá, visitante. Faça agora seu cadastro e participe do nosso site.
Criar Conta Login